domingo, 26 de agosto de 2012

Mar adentro



Rompem-se-me as palavras
Mar adentro
Como se fossem navios…
Soltam-se-me os afectos
Mar adentro
Como gaivotas que se libertam…
Ficam-se-me as mágoas
Terra adentro
Como um vulcão incandescente…
Rebentam-se-me profundos desejos
Terra adentro
Como se eu fosse maré viva
Num rio transbordante
De margens infinitas…

Sem comentários:

Publicar um comentário